Análise | Review The 100 S06E01 – “Sanctum”

4

CUIDADO COM SPOILERS! Essa é a análise do primeiro episódio da 6ª temporada de The 100.

We’re back, bitches! Todo início de temporada em The 100 é bastante propício para essa frase icônica da Octavia. Como demorou pra gente finalmente poder falar isso de novo, hein? Mas, felizmente, a sexta temporada acaba de começar oficialmente na CW. E antes de falar sobre o episódio de estreia, vamos relembrar um pouquinho de como a série terminou na temporada anterior.

Para quem não lembra, a Terra ficou inabitável (para variar) e nossos personagens tiveram que, de última hora, voltar ao espaço. Mas como na nave não havia água e comida suficiente e a Terra só voltaria ser habitável novamente em 10 anos, eles decidem entrar nas câmaras de criogenia. Até aí tudo bem, não é? Só que quando a Clarke e o Bellamy acordam, 125 anos depois, conhecem um jovem chamado Jordan e descobrem não apenas que ele é o filho de Monty e Harper, mas que o casal ficou para fora das câmaras durante todo aquele tempo para monitorar a situação da Terra e ambos já haviam morrido. Para piorar tudo, vamos relembrar que a Terra, na verdade, nunca se recuperou daquele estrago, mas Monty havia encontrado uma outra solução: um novo planeta.

Agora, sim, depois de relembrarmos um dos finais de temporada mais emocionantes que eu já vi, vamos ao episódio de estreia. Logo após todos assistirem a mensagem que Monty gravou e registrarem o que estava acontecendo, a primeira coisa que percebemos é que, definitivamente, o que aconteceu na temporada anterior NÃO ficou na temporada anterior. E não é para ser menos que isso. Os últimos acontecimentos no bunker e na tentativa de conquistar o vale foram tão intensos e sombrios que muitos laços antigos foram seriamente quebrados. Mesmo que tenham se passado literalmente 125 anos e o cenário agora seja outro, você não esquece tão cedo de alguém que te machucou.

Abby e Clarke são as que estão sendo mais afetadas pela mágoa do grupo; Clarke passou dos limites com as outras pessoas quando tentava proteger Madi, enquanto Abby perdeu a cabeça com o vício nos remédios e acabou machucando Raven. Pode ser coisa de quem acabou de acordar após 125 anos dormindo, mas certamente ninguém saberá perdoar tão cedo. Além disso, Octavia também carrega um alvo nas costas depois de todas as atitudes que tomou quando era Bloodreina, embora ela seja a única que não parece querer ser perdoada.

Voltando ao que descobrimos no episódio, Eligius foi uma missão de recolonização e cada equipe chegou a visitar 5 planetas com condições básicas de vida, mas não se sabe o que aconteceu com cada uma nesses lugares. Um desses planetas é o Alpha, escolhido por Monty. Contudo, como os sinais de rádio são fracos e os equipamentos não funcionam por alguma interferência, o único jeito de saber se é possível ou não viver neste planeta é indo até lá para conferir de perto – sim, um déjà vu lá do comecinho da série.

Enquanto Clarke, Bellamy, Echo, Murphy, Emori, Shaw, Jackson e Miller descem na missão de descobrir o que existe no planeta Alpha, Raven e Jordan descobrem que… Alpha não é um planeta. É uma lua. A grande questão para isso é: uma lua pode ser habitável? Segura? Alguém aí também ficou absolutamente curioso sobre isso?

Os mistérios desse novo lugar começam com o que já havíamos visto no trailer: o eclipse dos dois sóis. Além disso, logo na primeira noite de acampamento, uma nuvem de insetos surge e passa a persegui-los. Eles têm a ideia de ir em direção ao farol, mas chegando lá Shaw é atingido por uma barreira de radiação. O piloto não resiste aos ferimentos e morre logo após pedir que digam a Raven que ela merece ser feliz. Tudo bem que Shaw não era exatamente um personagem com um arco muito promissor, mas ele ter morrido logo no primeiro episódio já é um alerta de que a temporada não terá dó de ninguém. E muito provavelmente esse novo cenário também, não.

Um castelo também é encontrado pelo grupo. Embora esteja vazio, eles ainda encontram pertences de pessoas que moravam ali; uma espécie de templo (ou santuário, como diz o nome do episódio) com o símbolo de Allie (ou Becca), algemas presas em paredes, sangue em potes, insetos mortos e uma imagem de três pessoas apelidadas de Nascidos da Noite. Nem um pouquinho esquisito, não é? Ou, no mínimo, macabro.

Perceberam quando Emori está tentando abrir uma porta com uma faca, parece ficar um pouco confusa ou até chega a ouvir um barulhinho na própria cabeça? Já era um sinal de que algo, definitivamente, estava começando a dar errado. Essa teoria se conclui alguns minutos mais tarde quando Bellamy e Clarke encontram um livro infantil com o título “Red Sun Rising” (Nascer do Sol Vermelho) em uma espécie de escola e uma poesia em forma de alerta se destaca:

“Árvores e plantas dão a sombra,
que precisamos no Dia da Lembrança.
Mas quando estrelas se alinham e a floresta desperta,
é hora de fugir.
Por dois dias, o céu é o inferno.
E amigos são inimigos.
Então poucos são salvos,
depois de serem expostos.”

Parecendo profecia de destino, foi só acabar a leitura da poesia que o caos começou: a nave do grupo é roubada sabe-se lá por quem e Emori começa a atacar Murphy, como se fosse uma inimiga – sim, diretamente da frase profética “e amigos são inimigos”. O episódio termina com Clarke afirmando que a coisa que causou o surto em Emori “está no ar”, mas essa teoria a gente já conhece: o eclipse de dois sóis causa alucinações nas pessoas, fazendo com que elas acreditem que os amigos são inimigos ou entrem em conflito com elas mesmas. A estrofe de “quando estrelas se alinham e a floresta desperta, é hora de fugir” também pode estar relacionada a nuvem de insetos que surge durante a noite entre as árvores. E o resto… Bom, a gente vai descobrindo melhor aos poucos.

É claro que teoria não vai faltar nessa temporada enigmática, não é? O que vocês acharam do primeiro episódio? Contem nos comentários!

Considerações finais sobre o episódio:

– Kane estava dormindo, ficou 5 minutos acordado e depois dormiu de novo sei lá por mais quantos anos. Parece eu na manhã de domingo.

– Octavia, rainha! Alguém também ficou imaginando ela no Alfa?

– Raven realmente não pode ter meio episódio de felicidade, hein? Aliás, que maravilhosa ela estava nesse episódio!

– Jordan é tão inteligente e carismático quanto Monty. Que saudade!

– Amei a referência do “We’re back, bitches!” na chegada ao novo planeta, mas senti que poderia ter rolado uma nova frase de efeito. O que você falaria ao pisar naquele solo?

No Brasil a Warner Channel irá exibir os novos episódios a partir do dia 16 de maio.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS OFICIAIS: Twitter | Instagram | Facebook