O site da conceituada revista Forbes retornou a comentar sobre The 100, e dessa vez comparando com a série ‘The Walking Dead’, que vem recebendo inúmeras críticas do público em sua última temporada.

O artigo do jornalista Erik Kain, apresenta uma lista com cinco lições que a série zumbi poderia aprender com The 100.

Confira um resumo do texto traduzido abaixo:

The Walking Dead está cambaleando até a linha de chegada. A 8ª temporada foi, no mínimo, um exemplo incrivelmente interessante de uma série de TV que está fazendo tudo errado. Os produtores sabiam que tinham um problema em suas mãos quando a 7ª temporada foi amplamente criticada, mas aparentemente eles descartaram todas as lições erradas das muitas falhas na temporada.

Porque a 8ª temporada é ainda pior. Pequenos spoilers de The 100 e The Walking Dead abaixo.

Estou acompanhando a 4ª temporada de The 100 ao mesmo tempo em que assisto The Walking Dead. É interessante ver essas duas série lado a lado. Eles são obviamente muito diferentes em muitos aspectos, mas elas também têm muito em comum. (Alycia Debnam Carey participa tanto de The 100 quanto de Fear The Walking Dead.)

Ambos os shows são dramas pós-apocalípticos sobre os dramas e aventuras de um grupo de sobreviventes enquanto eles aprendem a lidar com um mundo novo e hostil. No caso de The 100, este grupo são os sobreviventes remanescentes a bordo da Arca, uma nave espacial que foi lançada como um último navio da humanidade após um apocalipse nuclear.

[…]

Você pode perceber como isso se assemelha ao que está acontecendo em The Walking Dead. Os sobreviventes do apocalipse zumbi viajam por um lugar relativamente desabitado do Sul, ocasionalmente encontrando outros grupos bons e ruins, antes de finalmente chegarem a Alexandria. Aqui eles descobrem que não estão sozinhos no mundo. Inúmeras comunidades e grupos surgiram. O conflito entre esses grupos é o que começa a redigir o drama em The Walking Dead, ao invés de simplesmente a necessidade de sobreviver e encontrar abrigo.

É aqui que The Walking Dead e The 100 começam a se separar. Sim, ambos são dramas pós-apocalípticos que lidam com a política e o conflito associados a vários grupos autônomos e hostis que lutam pela sobrevivência e dominação. Mas além disso as duas séries não poderiam ser mais diferentes.

The 100 é um espetáculo que mostra toda a sua narrativa com conflitos de personagens. Não apenas o conflito entre os bandidos e os mocinhos – muitas vezes isso não é muito claro para começar-, mas entre diferentes protagonistas com diferentes visões de mundo e noções éticas e morais.

Muitas vezes, em The 100, a história chega ao ponto em que não há escolhas óbvias. Raramente existem situações em que todos saem ganhando, onde todos podem sair felizes. Às vezes isso é por causa de forças acima do controle de qualquer um, mas muitas vezes é o resultado final de arrogância, ganância, intolerância ou traição. E às vezes é simplesmente porque alguém fez o que eles achavam que era a coisa certa, e não era.

[…]

Então, aqui estão as lições que eu quero que The Walking Dead aprenda com The 100:

  1. Constantemente coloque os personagens principais um contra o outro em uma batalha de crenças. Nem sempre deixe claro quem está certo e quem está errado – deixe o público decidir e depois seguir as consequências.
  2. Use falhas de caráter – ganância, ciúme, fanatismo, etc. – para impulsionar o enredo e refinar a lista de bons resultados até que apenas escolhas difíceis permaneçam.
  3. Uma vez que um personagem tenha feito uma escolha difícil, descubra o que isso irá causar. Deixe o resultado desta escolha difícil moldar a história daqui para frente e aprofundar as conseqüências. Como isso afeta o mundo? Os personagens individuais? Conflitos futuros?
  4. Permitir que os personagens cresçam e mudem com base nessas experiências. Os relacionamentos também mudam com base nas decisões que cada personagem toma. Mas lembre-se de que cada personagem deve ter um conjunto coerente de crenças éticas e morais que moldem suas ações. É aqui que surge o verdadeiro conflito.
  5. Faça tudo ter um sentido. Todos esses conflitos e ações devem levar a algo grande. Em The 100, isso geralmente significa algum tipo de decisão final que acabará moldando a próxima temporada. Isso sempre significa que o mundo e os personagens nele nunca serão os mesmos. Alguns serão quebrados, alguns serão preenchidos com determinação. Antigos inimigos se tornarão amigos e velhos amigos inimigos.

 

Se The Walking Dead seguisse essas dicas, seria uma série de TV bastante diferente. Teria conflitos mais interessantes, histórias mais profundas e personagens para os quais poderíamos torcer (ou não).

Sem tensão real, sem conflitos orgânicos reais e sem um retorno satisfatório, você não tem muita história e um monte de fãs descontentes.

Fonte: Forbes

Qual sua opinião sobre o texto? Concorda ou discorda? Deixe sua opinião nos comentários!

A 5ª temporada de The 100 estreia em 24 de  abril de 2018 na CW e será exibida no Brasil pela Warner Channel. As três primeiras temporadas se encontram disponíveis na Netflix!

Quer ficar por dentro de TUDO sobre a série, os livros e os atores? Acesse nosso site diariamente e nos siga no Twitter: @The100Brasil