Jason Rothenberg e Ricky Whittle falam sobre o futuro de Bellamy e Lincoln, batalha contra Mount Weather e mais

1

interviewww

O produtor executivo de The 100, Jason Rothenberg e o ator Ricky Whittle que interpreta Lincoln deram uma entrevista para o site Collider. Falaram sobre o resto da segunda temporada, sobre a Nação Ice, o futuro de Bellamy e Lincoln, a evolução de Octavia e a batalha contra o Mount Weather.

O que você pode adiantar sobre para onde as coisas estão indo no resto dessa temporada?

Jason Rothenberg: A primeira temporada e a segunda temporada são muito diferentes, e provavelmente você pode apostar na terceira temporada sendo tão diferente da segunda, quanto ela foi da primeira. Eu acho que vai ser um marco para nós.

Ricky Whittle: Há sempre dois mundos pararelos acontecendo, o que mantém as coisas novas para uma audiência versátil. Algumas pessoas estão no “material” floresta. Algumas pessoas estão no “material” espaço. Agora, nós temos o Mount Weather, este ano. A Cidade da Luz e essa jornada parece ser um outro caminho que nós estamos tomando agora. O mundo está ficando maior. É Terra, no final do dia. Temos visto, desde a primeira temporada, o quanto o mundo cresceu com apenas uma parcela da nave. Eles perceberam que as pessoas estavam vivas, e então você tinha os clãs diferentes. Isso vai continuar a crescer, à medida que começamos a investigar o que mais está lá fora.

O que é a Nação Ice?

Jason Rothenberg: Uma das coisas que eu gosto de fazer é soltar pequenas coisas cedo, e então, elas não voltam até mais tarde. A Nação Ice vai certamente desempenhar um papel na história maior, mas talvez não por algum tempo. Eles fazem parte da aliança. Há 12 clãs Grounder (terra-firme) e, agora, apesar do que Lexa tenha dito que eles fizeram com sua amiga, ela os trouxe para a mesa de qualquer maneira. De alguma forma, ela foi capaz de esquecer isso e trazê-los para mesa. Então, eles são uns membros do 12, mas quem sabe quão estável esse relacionamento é?

Você vai continuar a entrelaçar histórias juntas, durante toda a temporada?

Jason Rothenberg: Nós alternamos histórias, muito, na série. Na primeira temporada, nós íamos para frente e para trás entre a nave e as crianças na terra. A segunda temporada tem quatro ou cinco histórias que realmente são como uma corda entrelaçada. Isso funciona, na minha mente, e é emocionante para mim ver isso.

Whittle: Isso funciona em tela, também.

Que tipo de luta aguarda Lincoln e Bellamy no Mount Weather?

Jason Rothenberg: Serão más notícias por algum tempo, para ambos. Há um grande conflito vindo. Se eles vão escapar ou não está em grande questão. Bellamy é uma grande parte do plano, obviamente. Agora, eles têm seu homem para agir lá dentro, mas ele não vai ser exatamente muito útil no momento. Ele não vai ter a mesma jornada dentro da montanha que Lincoln teve. Lincoln se tornou um Ceifador, e a jornada de Bellamy é diferente.

Como é ver Bellamy e Lincoln chegando tão longe que eles podem sair e, de verdade, ser amigos?

Whittle: Eles tiveram uma jornada e tanto na primeira temporada. Eu ainda tenho cicatrizes daquele episódio no meu estômago. Eles começaram em condições ruins, mas Bellamy só estava tentando encontrar a cura para Finn. Não foi algo que ele quis fazer. Você viu aquela tortura nele. Ele não era uma pessoa má. Era um meio para um fim. Ele só estava procurando pela cura. Você viu a dor nele quando ele teve que bater em Lincoln e fazer tudo aquilo. E então, em todo o fim da primeira temporada e o começo da segunda, ele viu Octavia e Lincoln e a paixão que eles têm um pelo outro. Quando Lincoln foi capturado várias vezes, a força que Octavia mostrou em tentar encontrá-lo e a determinação na sua irmãzinha, que chegou como uma pequena criança mimada que ele tinha que cuidar, que agora é essa pequena guerreira empunhando uma espada. Ele viu que Lincoln é bom para ela, e que ele trouxe essa força à tona, mas Lincoln sempre enxergou essa força nela. Ele era apenas capaz de coagí-la um pouco mais e permitir que ela seja mais de si mesma. Lincoln não é um Grounder que luta primeiro e pergunta depois. Ele está tentando entender o mundo, muito mais do que a maioria. Ele diz que o mundo tem tentado transformá-lo num monstro, desde que ele se lembra. Desde sua infância, ele questionava os costumes dos Grounders e a brutalidade de tudo, e então ele encontrou alguém, e quis cuidar deles e aprender. Lincoln não é apenas um guerreiro. Ele é muito mais um jovem curioso que quer saber mais sobre mundos diferentes, para que todos possam ajudar uns aos outros.

Octavia está entre mundos agora. Você acha que isso se dá por conta de ela nunca ter tido uma vida normal na Arca?

Jason Rothenberg: Octavia nunca foi aceita. Ironicamente, ela era uma segunda-nascida na Arca, o que significava que ela não era bem vinda e tinha que viver sob o piso essencialmente em segredo, então ela nunca pertenceu à lugar algum. Ela sentiu-se um pouco pertencente, na primeira temporada, com os 100 e certamente com Lincoln. Agora, ela definitivamente está atraída para o mundo dos Grounders. Eu acho que seu arco é um dos mais emocionantes da série, a partir de uma criança mimada dizendo: “Estamos de volta, vadias!”, para onde ela está agora. Eu não poderia imaginar a personagem, como ela está hoje, dizendo essa fala. Acho que ela vai encontrar seu lugar.

Octavia poderia ser mais aceita do que Lincoln tem sido?

Whittle: Você vai ver uma grande jornada oposta entre os dois. Lincoln começa a nem mesmo falar. Ele é um guerreiro silencioso que é muito estóico. Você o viu se tornar mais familiariazado aos da Arca. Ele escuta os seus costumes e entende que eles não são tão brutais. No outro lado do espectro, você tem Octavia dizendo, “Estamos de volta, vadias!”, vindo seguido de um “Você pode enfiá-lo no seu rabo”, e ela leva uma surra de um Grouder e continua em pé. Ela tem tranças em seu cabelo, e isso é uma grande transformação. Ela está indo pra quem ela realmente é. Isso é o que ela sempre foi. Ela sempre foi forte. Mesmo no piloto, ela era uma garota forte. Então, você vê a jornada que é física e emocional para Octavia. Ela está se tornando quem ela está destinada a ser, que é uma guerreira forte. Eu acho que é o porquê de ela ter sido atraída ao Lincoln. Ela viu essa força em Lincoln, e ele viu nela. Ambos parecem estar indo mais para um meio termo.

Jason Rothenberg: Eles são personagens ponte. Eles ligam os mundos.

Whittle: Não é necessariamente se duas metades podem fazer um todo, mas sim se duas pessoas podem fazer algo melhor. Eles estão pegando o melhor de cada mundo e, esperançosamente, criando uma super raça humana.

Jason Rothenberg: Eu sempre tenho visto eles como o coração romântico da série. É o único relacionamento real na série, romântico. Finn e Clarke eram, mas é uma coisa do passado agora. Para mim, esse relacionamento é símbolo do que duas pessoas podem fazer. Se eles podem fazer funcionar, então talvez os Grounders e os Sky People podem fazer funcionar.

O que você pode dizer sobre onde Monty e Jasper estão?

Jason Rothenberg: Monty está ferrado. Ele está num caminho ruim. Se ele vai conseguir escapar ou não, você vai ter que entrar em sintonia e ver. Obviamente, Jasper vai até o fim de sua perspicácia porque seu melhor amigo está desaparecido. Mas, essa é uma história para o próximo episódio. Nós voltamos para a história do Mount Weather agora, para o resto da temporada.

Há claramente grandes batalhas vindo. A batalha no Mount Weather vai decidir a guerra, ou é apenas uma parada na jornada?

Jason Rothenberg: A história é contada, nessa temporada. Eu gosto quando as coisas mudam. Por outro lado, eu fico entediado, criativo e assistindo como um fã. Nós contamos a história muito rápido. Alguns diriam rápido demais, às vezes. Mas nós vamos resolver as coisas. Não vamos deixar grandes mistérios por lá, segurando por anos e anos e anos. Eu não gosto disso. Nós acabamos de terminar de filmar a finale e nós vamos mudar as coisas novamente, do jeito que o White Room (Quarto Branco) mudou as coisas nessa temporada. Porque nós fomos incrivelmente abençoados quando nos contaram que vamos ter uma terceira temporada, já era o meu plano fazer isso, mas tinha algumas conversas se eu deveria fazer uma series finale (fim de série) ou uma season finale (fim de temporada). Agora, nós sabemos que vamos ter que continuar contando a história e brincando com esses personagens. Eu acho que as pessoas não ficarão desapontadas com a grande mudança que teremos, na próxima temporada.