ATENÇÃO: A análise a seguir contém SPOILERS do quarto episódio da quarta temporada de The 100. Leia por sua conta e risco!

Se na semana passada nós tivemos um episódio mais tranquilo em questão de ação, ela definitivamente veio com força dupla no episódio S04E04 – “A Lie Guarded”. Toda a construção e desenvolvimento do roteiro fizeram com que os quarenta e poucos minutos de cena fossem repletos de emoção, drama e tensão, transformando esse no melhor episódio da temporada até aqui. 

Abby e Raven saíram liderando uma missão com destino aos laboratórios de Becca no domínio de A.L.I.E., em busca de alguma forma científica que criasse uma solução anti-radiação utilizando o sangue de Luna, que até então se enxergava como uma prisioneira dos Skaikru. Depois de muito esforço lidando com as barreiras de defesa da ilha, eles conseguiram acesso ao espaço e Raven convenceu Luna a ajudar. Não há muito mais a se falar sobre esse plot em especial, exceto o fato de que obviamente descobriremos um novo plano em breve, considerando o pouco tempo que resta para a humanidade. Até porque é impossível supor que eles tiveram todo esse trabalho para chegar no laboratório e simplesmente não encontrarem nada que possa servir de ajuda, não é?

Como eu bem reforcei na review da semana passada, Clarke cometeu um erro ao deixar sua lista de sobreviventes tão acessível, principalmente sabendo que causaria um pânico geral se ela fosse descoberta pelo povo. E foi, é claro. Certamente não somos capazes de imaginar como deve ser difícil ocupar a posição da Clarke em toda essa situação desesperadora e, se você pensar racionalmente, o critério de decisão dela faz sentido se a sua função é pensar no futuro da humanidade, escolhendo médicos, engenheiros, mulheres férteis, pessoas saudáveis, etc. Mas também é difícil concordar e até defender nossa Wanheda quando descobrimos que ela não colocou Monty na lista, por exemplo, por ele ainda ser um aprendiz de engenharia. Será que ninguém se lembra que a ideia de colocar as pessoas dentro da nave veio exatamente da mente brilhante dele? Sinceramente, eu teria tido uma reação bem pior se estivesse no mesmo lugar que ele.

Para a surpresa de muitos, Jaha tem sido um conselheiro muito útil ao lado de Clarke, quase como um mestre ensinando sua aprendiz a usar a liderança com sabedoria. Se ele não tivesse acalmado o povo e oferecido um outro método de decidir quem vive ou morre, provavelmente tudo teria fugido ainda mais do controle e sabe-se lá o que tantas pessoas irritadas seriam capazes de fazer. Quero dizer, ele não é exatamente uma pessoa muito boa, mas tantos anos como Chanceler renderam algum conhecimento que Clarke ainda está aprendendo; isso é um fato. E cá entre nós, se o Jaha tivesse se esforçado para ajudar os Skaikru desse jeito desde o início, ele teria sido um personagem muito melhor do que foi.

Em Polis, Roan subitamente decidiu que a aliança entre os povos estava quebrada e declarou guerra contra os Trikru e Skaikru. Assim mesmo, DO NADA! Foi bastante aleatório e surpreendente, mas também muito interessante de ver porque… francamente, eu não aguentava mais ver um Rei da Nação do Gelo sentado no trono em todos os episódios, só esperando que as coisas se resolvessem. É claro que uma guerra é a ÚLTIMA coisa que eles precisam agora, mas o clã de Azgeda é conhecido por ser brutal e cruel, então o que deveríamos esperar de um rei que já não tinha mais a flâmula dos Comandantes para mantê-lo no poder e ainda descobre que seus aliados estão trabalhando num plano que só envolve o povo deles?

A questão é que sabendo sobre a radiação e o plano de colocar pessoas na nave, Roan mandará seu exército marchar até Arkadia para roubar o território. Ou seja, os Skaikru terão que tentar defender seu lar enquanto deveriam trabalhar para consertá-lo no tempo certo. Tudo tranquilo, né?

Talvez o maior destaque do episódio tenha sido Octavia. Mais cedo, nós vimos Kane criticando os assassinatos que a fizeram ser conhecida como Skairipa, entre eles a morte de Pike, como vingança pela perda de Lincoln. Ele também pediu que ela se afastasse da capital e voltasse para Arkadia, mas com a aliança de Roan quebrada e as mortes que se seguiram depois, Octavia acabou tendo que realmente fugir para tentar avisar o resto dos povos sobre o que viria, enquanto Kane e Bellamy ficavam prisioneiros. Mas ela não foi tão longe, né? Uma incrível luta com Echo e a nossa Skairipa foi atingida por um golpe de lâmina na barriga, seguida por uma queda de um penhasco direto para um rio. É claro que eu não esperava que ela fosse morrer tão cedo, mas mesmo assim o coração apertou ao ver a reação de Bellamy ao ouvir que a irmã tinha sido morta. Sem dúvida alguma, os gritos da incrível atuação de Bob Morley comoveram muito. Além disso, foi um alívio ver Octavia se reerguendo ao final do episódio e pedindo para seu cavalo levá-la para “casa”, finalmente reconhecendo que Arkadia é seu lar. Um episódio emocionante do começo ao fim, com toda certeza. E vocês? O que acharam dos acontecimentos? Comentem conosco!

Observações:

  • Quem ficou um pouquinho feliz achando que o Jasper estava morrendo mesmo?
  • Foi bom ver uma “reconciliação” entre Raven e Murphy.
  • “O que aconteceu?” “Eu aconteci”. RAVEN, EU TE VENERO!
  • R.I.P. Nyko, sua luta acabou.

A 4ª temporada de The 100 vai ao ar toda quarta-feira nos EUA pela CW. No Brasil a série será exibida pela Warner Channel em abril de 2017.


Quer ficar por dentro de TUDO sobre a série e os livros? Acesse nosso site diariamente e nos siga no Twitter: @The100Brasil

  • Yres :D

    Esse episódio realmente impressionou, particularmente, é o melhor da quarta temporada até agora. O episódio conseguiu me prender de inicio ao fim e nem sempre isso acontece. Eu levei um susto com o Jasper no inicio do episódio, não imaginei a possibilidade daquilo não ser uma chuva radioativa depois de ver como o Jasper reagiu, ótima atuação inclusive. Clarke sofrendo as consequências de ser uma líder está sendo mostrado de uma forma incrível e quando ela impediu o Jasper de falar sobre a lista eu dei um pulo da cadeira, não pensei que ela iria atacar e prender o Jasper. Também estou gostando muito de como o personagem da Luna está se desenvolvendo na série, desde a terceira temporada, eu amei a Luna e sabia que ela tinha muito potencial. Espero que esse potencial seja bem aproveitado daqui pra frente. Bem, e a Octavia também me impressionou, o jeito de como se preocupou com a Indra e correu para avisar os outros me deixou bem orgulhoso, sem falar de como lutou, com toda aquela teimosia e determinação que só ela tem em The 100, o final da luta não me surpreendeu, no fundo eu sabia que a Octavia não estava morta, não me pergunte como. Acho que essa foi a intenção dos produtores, criar a dúvida nos espectadores: Octavia está mesmo morta? A maioria sabia que não mas a incerteza fez todos assistirem o episódio até o final. E mesmo Bob Morley sendo um ator que eu gosto muito, achei o desespero dele quando soube sobre Octavia bem fraco, não me comovi, mas fiquei feliz que essa relação de irmãos ainda está viva. Enfim, gostei muito do episódio. Porém, tem uma coisa que está me incomodando nessa temporada, a fotografia (na verdade, não sei como que chama isso…) mas acho que todos perceberam que as câmeras não tem as imagens estabilizadas, ficam tremendo como se alguém tivesse gravando um vídeo com o celular. Isso é bem chato, pois desconcentra na hora de assistir e ainda reflete uma baixa no orçamento de The 100, o que indica que a CW pode estar perdendo o interesse na série… Ótima Review! 🙂

  • Davy

    Responde esse comentário por favor