ATENÇÃO: A análise a seguir contém SPOILERS do oitavo episódio da quinta temporada de The 100. Leia por sua conta e risco!

Como alcançar a paz? Em qualquer realidade ou mundo paralelo, a paz nunca vem facilmente, de mão beijada. Sempre tem um preço. Em cinco temporadas de The 100, quantas vezes você lembra de ter visto os personagens em paz? Quanto tempo ela durou? O que ela custou?

Em um episódio nomeado “como alcançamos a paz”, chega a ser tragicamente cômico que tenha tido cenas tão violentas. O título do episódio não é aleatório: às vezes, pessoas tomam atitudes e decisões cruéis em nome da paz, acreditando que os fins justificam os meios. Quantas pessoas na série já não mostraram pensar assim? Mas, é claro, não dá para esperar que não haja violência em algum episódio de The 100, principalmente quando existe uma guerra acontecendo – agora talvez não mais, não é?

Começamos a falar sobre o episódio pelo o que anda acontecendo no vale. Abby finalmente pareceu ter encontrado uma possível cura ou tratamento para a doença do povo de Eligius e pediu a ajuda de Raven para isso, mas ao descobrir o vício em remédios que Abby estava sustentando, ela tentou voltar atrás e foi “apunhalada” pelas costas. Ainda que as pessoas doentes do vale não sejam tão amigáveis assim, o mais adequado seria ver Abby satisfeita por estar salvando vidas, como uma boa médica, e não simplesmente fazendo o possível para merecer mais drogas. Até onde esse vício dela será levado na série? Talvez até comprometer a relação dela com Clarke?

Enquanto isso, Kane está cada vez mais próximo de se tornar um candidato a conselheiro de Diyoza, principalmente agora que ele está a par da gravidez de 100 anos da Coronel – aliás, quando isso será explicado melhor? Mas, além disso, na conversa que os dois tiveram sobre expectativas sobre o futuro, a série mais uma vez reforçou o quanto a sobrevivência é o foco central de tudo. Assim como não existem mocinhos, também não existem vilões. São só pessoas tentando sobreviver, cada um do seu jeito. Coronel Diyoza pode ser uma verdadeira ditadora cruel, mas não foi isso que Octavia também se tornou ao tentar fazer seu povo sobreviver? De uma forma ou outra, todos estão sujeitos a isso.

Murphy e Emori tomaram uma decisão arriscada ao voltarem a ser prisioneiros, mas se Emori realmente tem capacidade de desligar as coleiras, talvez seja um bom plano. Mas, ainda assim, o que ela poderia fazer que Raven ainda não tenha tentado? É claro que ser prisioneira e estar sendo vigiada complica um pouco as coisas, mas não é como se Emori fosse ter muita liberdade lá dentro, não é? Seja o que for acontecer, será difícil para eles se livrarem desse lugar.

Apesar da morte sangrenta e totalmente desnecessária da Cooper, arrisco dizer que a cena mais violenta do episódio foi a cena final entre Bellamy e Octavia (ao lado da cena entre Abby e Raven, vale dizer). Não teve nenhuma luta, mas ver que a frieza de Octavia chegou ao nível de ter que ser traída pelo próprio irmão pelo bem maior é dura de assistir para qualquer um que acompanhe a série desde o início. As últimas palavras de Bellamy no episódio, “minha irmã, minha responsabilidade”, foram repetidas tantas vezes durante as temporadas que já estava claro que se existia uma pessoa que poderia parar Octavia, era o próprio irmão dela. Bellamy desceu até a Terra e lutou durante todo esse tempo para protegê-la dos outros, mas, infelizmente, chegamos em um determinado momento em que a única pessoa que representa perigo para Octavia é ela mesma.

É claro que mesmo com um acordo de paz entre os dois povos e um vale dividido, Octavia não aceitará tudo isso de boa vontade quando acordar. E nem Diyoza deixará de vê-la como uma ameaça, não é? Os povos podem até tentar, enfoque no “tentar”, viver juntos em paz, mas a guerra entre as duas líderes está muito longe de acabar.

Observações finais:

– Raven sofreu tanto nesse episódio, como sempre! Dói tanto ver ela chorando 🙁

– Monty provavelmente está sendo a pessoa mais sábia da temporada. Não dá para dizer se foi efeito da carta de Jasper ou a própria consciência batendo ao ver tudo que estava acontecendo, mas a atual sabedoria e o equilíbrio dele deveriam ganhar mais destaque.

– Será que Octavia poderia acordar do coma gritando “we’re back, bitches!”? Bateu saudade…

 

A 5ª temporada de The 100 vai ao ar toda terça-feira na CW nos EUA e toda segunda-feira no Brasil pela Warner Channel. As quatro primeiras temporadas se encontram disponíveis na Netflix!

Quer ficar por dentro de TUDO sobre a série, os livros e os atores? Acesse nosso site diariamente e nos siga no Twitter: @The100Brasil